“Eis- me aqui, Envia-me a mim!” Um chamado ao arrependimento (Isaías 6.8b)

Treinamento de Pastores: Uma prioridade para uma estratégia de ministério global (ATUALIZADO)
October 9, 2019
Pastor Forero shares the thought that being in quarantine doesnt equal stillness. Being still before the Lord is where true peace can be found.
Quietude versus Quarentena
May 4, 2020

“Eis- me aqui, Envia-me a mim!” Um chamado ao arrependimento (Isaías 6.8b)

Jason Tan shares what our posture should be during this time of worldwide panic. Repentance starts with us.

This post is also available in: enEnglish (Inglês) esEspañol (Espanhol) frFrançais (Francês) arالعربية (Árabe)

Dr. Jason Richard Tan compartilha uma oportuna exegese sobre o chamado de Isaías ao arrependimento. Para saber mais sobre Jason, a situação atual nas Filipinas e o que inspirou seu devocional, clique aqui para assistir a um vídeo (1min15s). 


O chamado de Isaías como profeta começou em um momento de grande agitação política. Uma ameaça iminente de invasão pairava sobre a nação de Israel, uma vez que o exército assírio conquistava uma nação de cada vez. Os líderes nacionais lutaram por soluções políticas e militares, embora Deus tivesse apontado constantemente a verdadeira causa do problema: a decadência espiritual da nação.

Deus havia revelado a Isaías que estava por trás de toda a agitação política da região. E que foi sob a direção de Deus que o temido exército assírio havia sido convocado para castigar a nação de Israel.

Por que Deus estava decidido a trazer juízo sobre seu próprio povo? Israel estava se rebelando contra Deus através de suas práticas idólatras, da desigualdade social, da injustiça, da corrupção e do abandono dos pobres, dos órfãos e das viúvas.

Como resultado, o Senhor se recusou a aceitar suas ofertas. Ele nem ao menos reconheceu suas orações. O SENHOR declarou, “Quando vocês estenderem as mãos em oração, esconderei de vocês os meus olhos; mesmo que multipliquem as suas orações, não as escutarei! As suas mãos estão cheias de sangue!” (Isaías 1.15, NVI)

A história nos diz que cada vez que Deus esconde seu rosto de seu povo, o juízo e o castigo certamente vêm. A ideia de que Deus julga e castiga as pessoas e as nações há sido deixada de lado pelos pregadores modernos como se fossem ensinos heréticos. Nossa época facilmente despreza a ideia do juízo divino e julga esse tema como sendo “politicamente incorreto” ao apresentar o Deus cristão.

O problema com os cristãos de hoje em dia está na forma como lemos a Bíblia. Nos encanta “escolher” apenas as partes que nos agradam e deixar o restante da verdade para trás. E através destas porções da Escritura que escolhemos pintamos uma caricatura de Deus que está mais de acordo com o que gostamos do que com a Bíblia.

Oferecemos um Deus que nunca fica irado nem se ofende, um deus que está sempre preocupado com nosso bem estar, que respeita nossos direitos morais e políticos. Esse deus nunca nos castigará, mas sempre nos perdoará. Ele nos levará em suas mãos, mas nos fará responsáveis por nada. O deus que temos criado é incompatível com as realidades humanas de dor, sofrimento e morte, muito menos com as leis divinas e universais de justiça, juízo e castigo. Assim, quando algo tão mau e perverso como esta pandemia acontece, o mundo se confunde. O que é mais surpreendente é que a Igreja está tão confundida quanto o mundo.

Por outro lado, quando deixamos que Deus fale por si mesmo através da Escritura, encontramos um Rei Soberano, que não se parece em nada ao “avô amoroso e tranquilo” que imaginamos em nossas mentes. E como Rei, Deus requer e até mesmo exige que seu povo se submeta a Seu governo. Além disso, a Bíblia é clara sobre a vinda do Dia do Juízo Final, no qual todos enfrentarão o juízo, sem importar suas crenças políticas, sociais, morais ou religiosas.

Uma grande parte do Antigo Testamento é composta por sermões dos profetas de Deus advertindo a nação de Israel de que o juízo de Deus cairia sobre eles caso continuassem em seu caminho de rebelião e pecado. No Novo Testamento, Jesus e João Batista advertiram constantemente aos líderes de Jerusalém que caso não se arrependessem, Deus julgaria toda a nação. Esse dema do juízo divino, que Deus virá a julgar os vivos e os mortos, aparece ainda mais claramente no livro de Apocalipse e é a razão principal da vinda de Deus. Deus demonstrou constantemente na história de Israel, que como Rei, trará retribuição e castigo contra este mundo no Dia do Juízo.

Durante o ministério de Isaías, o Senhor revelou um tempo determinado de castigo, quando Jerusalém seria invadida e eles seriam levados cativos por uma nação estrangeira. “Vejam! O Soberano, o Senhor dos Exércitos, logo irá retirar de Jerusalém e de Judá todo o seu sustento, tanto o suprimento de comida como o suprimento de água, e também o herói e o guerreiro, o juiz e o profeta, o adivinho e a autoridade, o capitão e o nobre, o conselheiro, o conhecedor de magia e o perito em maldições. Porei jovens no governo; irresponsáveis dominarão.” (Isaías 3.1-4, NVI).

Esta profecia se cumpriu em 587 a.C. quando o rei Nabucodonosor capturou Jerusalém, e deportou todos os líderes e seus funcionários para a Babilônia. O castigo foi tão severo que passaram-se 70 anos até que se permitisse que a primeira leva de exilados pudesse voltar e reconstruir o templo e a cidade de Jerusalém. Por que razão então os pregadores têm medo de pregar uma mensagem de arrependimento quando a Bíblia é clara a respeito do fato que o Juízo Final está próximo?

Isaías sabia do iminente juízo de Deus e sabia da necessidade de contar às pessoas sobre ele. Durante um tempo de adoração, Isaías escutou o Senhor dizendo, “Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós? ” E eu respondi: ‘Eis-me aqui. Envia-me!’ “Assim, Isaías pediu a Deus que lhe enviasse para advertir ao povo. Ele disse “Eis-me aqui. Envia-me!”, Envia-me como um arauto de arrependimento. (Isaías 6.8, NVI).

Antes de ir por aí julgando e chamado o mundo a arrepender-se de seus pecados, lembremos que a ira e as advertências de Deus foram primeiro dirigidas a seu próprio povo. Deus, naquele momento, não estava julgando os assírios ou os babilônicos por suas más ações, estava chamando seu próprio povo para arrepender-se de seus atos. Embora mais tarde Deus fosse castigar e julgar os invasores estrangeiros, o que mais preocupava Deus era seu próprio povo. Em meio a essa pandemia, de que maneira devemos responder como povo de Deus? Podemos responder como fez Isaías diantes de Deus no capítulo 6.

1. Reconhecer que Deus é soberano.

O mundo pode estar experimentando um acontecimento sem precedentes, mas nada surpreende a Deus. Em meio a agitação política em Israel enfrentava, Deus estava sentado em seu trono. Isaías escreveu, “No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo.

Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés, e com duas voavam. E proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra inteira está cheia da sua glória”. Ao som das suas vozes os batentes das portas tremeram, e o templo ficou cheio de fumaça.” (Isaías 6:1-4, NVI).

Da mesma maneira, apesar da pandemia, Deus está sentado em seu trono. Esta pandemia é um grande lembrete de que nós não somos Deus. Ele é Deus, o SENHOR é Rei! Não somos donos do mundo, Deus o é. O universo não gira ao nosso redor, mas existe por Ele e para Ele. Em meio a essa pandemia, reconhecer que Deus está em seu trono nos livra da preocupação e nos permite adorar.

2. Admitir nossos pecados e nos arrependermos. A primeira coisa que Isaías percebeu quando encontrou-se diante da majestade de Deus foi sua própria impureza. “Ai de mim!”, ele exclamou. “Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e vivo no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!” (Isaías 6.5, NVI). Todos nós temos contribuído para o mal sistêmico deste mundo. Da mesma forma que é presunçoso e arrogante afirmar que esta pandemia é uma forma de castigo de Deus, é igualmente arrogante dizer que Deus nunca nos castigará. 

Responder com uma atitude de contrição e arrependimento é o mais apropriado em momentos como este. Entretanto, devemos lembrar que o chamado ao arrependimento sempre se dirige primeiramente ao povo de Deus, e depois ao mundo. Quando Salomão pediu a benção de Deus sobre o templo, Deus lhe colocou uma condição: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra.” (2 Crônicas 7.14, NVI). 

A cura da terra dependia da disposição do povo de Deus em se humilhar, orar, e afastar-se dos seus mais caminhos. AS vezes, o maior obstáculo para o Reino de Deus é a igreja institucional. Talvez seja a hora de, como igreja institucional, reconhecermos e nos arrependermos de nossos pecados. Pregamos um deus que é inconsistente com as Escrituras. Tornamos a lealdade política mais importante que a unidade da igreja. Criamos desculpas para não ajudarmos as vítimas da injustiça julgando-as como criminosos. Não fizemos nada para ajudar os pobres, os imigrantes, as viúvas e os órfãos. Tornamos as atividades da igreja e as regras denominacionais mais importantes do que ganhar almas. Muito pior, nos recusamos a alertar o mundo do iminente juízo de Deus, para que ninguém veja a necessidade de se arrepender. 

3. Pedir para ser enviado em uma missão

Em um momento como este, haverá muitas oportunidades para servir a Deus. Como Isaías orou, “Estou aqui. Envia-me a mim”. Algumas razões pelas quais Deus castigou Israel foi porque descuidaram de seu dever de servir e de proteger os mais vulneráveis da sociedade. “Ai daqueles que fazem leis injustas, que escrevem decretos opressores, para privar os pobres dos seus direitos e da justiça os oprimidos do meu povo, fazendo das viúvas sua presa e roubando dos órfãos!” (Isaías 10.1-2, NVI).

Este é o momento para que o povo de Deus mostre um verdadeiro arrependimento cuidando dos mais vulneráveis da sociedade. Peça a Deus para que Ele o envie em uma missão para ajudar os mais vulneráveis. Entretanto, nunca devemos duvidar do nosso primeiro chamado que é pregar o arrependimento ao mundo, pois o Dia do Juízo Final se aproxima. Assim, peça ao Senhor que Ele o envie em uma missão para levar alguém ao Senhor hoje, “SENHOR, eis-me aqui, envia-me a mim!” (Isaías, 6.8).


O AUTOR: Jason Richard Tan é um Associado GPro do RREACH. Serve como curador de recursos do portal GProLearning.org – um website dedicado a facilitar o acesso a recursos de formação pastoral para líderes com pouco acesso a uma educação teológica formal. Possui mais de 20 anos de experiência ministerial como professor de seminário, pastor e mentor.  Ele e sua esposa Donna servem como missionários nas Filipinas. Eles têm dois filhos, Joshua e Elisha.

Leave a Reply